Avaliação da consciência

Posted on Posted in Conhecer o cérebro

Avaliação da consciência

Avaliação da consciência

A avaliação da consciência, em tipos e níveis, permite a sua melhor caraterização e compreensão. A avaliação da consciência contempla o seu âmbito (tipos de consciência) e a sua intensidade (níveis de consciência).

 

 

 

 

 

Tipos de consciência

Os tipos de consciência não são categorias rígidas.

António Damásio designou a consciência de acordo com o seu âmbito como:
– consciência nuclear, a de âmbito mínimo;
– consciência autobiográfica ou alargada, a de âmbito vasto.

A consciência nuclear e a consciência autobiográfica também são designadas, respetivamente por consciência fundamental e consciência extensa.

A consciência de âmbito mínimo está centrada no Eu, tem haver com a percepção do Eu “aqui e agora”, num determinado momento.
Por exemplo, quando tomamos um café em casa ao pequeno almoço. Estamos tranquilos no momento presente, sem qualquer preocupação.

Agora imagine que está a tomar um café num restaurante, com o chefe da empresa onde trabalha, no decurso de uma reunião complexa que poderá ter implicações para a sua vida profissional e pessoal. Nesse momento, é transportado para momentos passados (por recordação) e para outros imaginários, que ainda não vivenciou (que antecipa como possíveis ou prováveis).
O Eu, em si, mantem-se firme. Mas é fortemente influenciado pelo passado já vivido e pelo futuro imaginado (antecipado).
A mente consciente expande-se e abrange conteúdos reais e imaginários.
É uma consciência de âmbito vasto.
É este tipo de consciência que habitualmente entendemos como “consciência humana”, que nos carateriza.

No entanto, a consciência nuclear não pode ser esquecida quando se procura entender a consciência e, em particular, as suas bases anatómicas e suas implicações no dia-a-dia.

Estes tipos de consciência, nuclear e autobiográfica, não são categorias rígidas.
Devem ser considerados graus de uma escala de consciência entre os limites nuclear e autobiográfica.
Os níveis mais baixos de escala de consciência não são apenas humanos.
Nos níveis mais elevados, a consciência complexa e abrangente, implica um funcionamento cerebral complexo e distinto do Homem.

 

Níveis de consciência

A consciência tem flutuações.
É importante compreender que os níveis de consciência flutuam com a situação.
Podemos considerar uma “escala” de intensidade, em que são considerados vários níveis.
Não funciona abaixo de um determinado limiar.
Por outro lado, há um nível em que a sua eficiência é máxima.
Como extremos podemos comparar o momento em que sentimos sono e, outro, em que estamos alerta para um debate com alguém sobre um assunto complexo, dependente de forte percepção sensorial.

 

Baseado em “O livro da Consciência” de António Damásio
(“A consciência observada – Estar consciente”)