Virus Zika

Virus Zika

Posted on Posted in Atualidade, Infeções víricas

Virus Zika e microcefalia

Virus ZikaO virus Zika é um virus RNA, da família Flaviviridae, transmitido aos seres humanos pela picada de mosquitos infetados (Aedes).

Foram registados recentemente casos de infeção em países dos continente Americano (América Central e Sul) e Pacífico, nas Caraíbas e em Cabo Verde.
Na Europa há uma probabilidade reduzida de casos de doença, associados a viagens. Contudo, com a disseminação da infeção nos continentes Americano e Pacífico, poderá vir a aumentar o risco de infeção na Europa.
Em Portugal, em 2015, foram confirmados 4 casos importados de doença pelo virus Zika (Instituto Ricardo Jorge).

Até recentemente, a infeção pelo vírus Zika era considerada pouco relevante.
Após a picada pelo mosquito infetado, o periodo de incubação varia entre 3 a 12 dias.
A maioria das infeções era assintomática (até 80%) ou considerada extremamente benigna (caraterizada por sintomas/sinais ligeiros idênticos a um síndrome febril autolimitado, com resolução em 4 a 7 dias; infeções sem complicações graves).

Recentemente têm-se admitido outras formas de transmissão do virus (mutante?), bem como casos associados a doença neurológica grave (Síndroma de Guillain-Barré) e casos associados a microcefalia.

No Brasil, o RNA do virus Zika tem sido detetado nas mães e amostras de líquido aminiótico de fetos.
O virus foi encontrado no tecido cerebral fetal por transmissão vírica maternofetal (designada por transmissão vertical).

Assim, o virus Zika pode ter o potencial de infetar o feto e causar potencial disfunção no neurodesenvolvimento, incluindo microcefalia. Ainda não há dados suficientes que associem a infeção pelo vírus zika ao desenvolvimento de anomalias fetais, além da microcefalia.

O aumento recente na prevalência de microcefalia nos recém-nascidos (cujas mães estavam infetadas pelo virus Zika durante a gravidez), bem como o alterações visuais nestes bébés está provavelmente associado à disseminação rápida deste vírus.

Infeção congénita devido a exposição presumivel com o virus zika está associada a lesões maculares (por exemplo, atrofia corioretiniana, pigmentação focal da retina) e perimaculares, e também a alterações do nervo ótico (por exemplo, hipoplasia, palides do nervo).

Há necessidade urgente de resposta coordenada mundial para prevenção da disseminação desta doença infeciosa, com potencial epidémico já reconhecido.

 

Leave a Reply