sono e desenvolvimento cerebral

Sono e desenvolvimento cerebral

Posted on Posted in Neurodesenvolvimento

Sono e desenvolvimento cerebral

sono e desenvolvimento cerebral

O papel do sono no desenvolvimento cerebral é sugerido pela  grande quantidade de sono durante os períodos de crescimento rápido do cérebro, conectividade e plasticidade sinática.

A existência de grandes quantidades de sono no início da vida sugere que o sono tem um papel na maturação cerebral. Em particular, a influência do sono no desenvolvimento do sistema visual tem sido reforçada. Estes achados reforçam a necessidade de proporcionar um sono adequado no início da vida.

O sono é um processo complexo que engloba a compreensão de diversos fatores, tais como, a necessidade de interrupção da atividade vigil, o padrão cíclico, a sua duração, e a existência dos sonhos. 

As caraterísticas do sono variam com a idade: a organização circadiana do sono (por exeplo, polifásico no recém-nascido, isto é, o recém nascido dorme várias vezes ao longo do dia); o tempo total de sono habitual (o recém-nascido dorme aproximadamente entre 16 a 18 horas; o lactente 14 a 15 horas; diminuendo progressivamente ao longo da vida) e as fases do sono (o recém-nascido tem cerca de 50% de sono REM ou paradoxal; posteriormente tem cerca de 20%, que diminui ainda mais no envelhecimento). O recém-nascido não tem fases profundas de sono lento, que surgem aproximadamente aos 4 meses.

O sono ocorre em dois estadios diferentes: sono REM (rapid eye movements) e sono não-REM. Ambos os estadios de sono parecem ser importantes para o desenvolvimento neuronal normal (com contribuição dependente do tipo de sono) e maturação cerebral.

Com a descoberta do sono REM (rapid eye movement), o sono deixou de ser considerado um estado de repouso passivo do cérebro, atendendo aos processos fisiológicos que ocorrem durante o mesmo. Pelo contrário, o sono e especialmente o sono REM, passou a ser considerado uma condição ativa da atividade cerebral intensa.

Os neurónios na maior parte do cérebro permanecem ativos durante o sono e o cérebro despende muita energia com a sua atividade neuronal durante o sono. É fácil de compreender que neurónios responsáveis pelas funções autonómicas como a respiração permanecem ativos quer no sono quer no estado acordado, mas neurónios noutras partes do cérebro também permanecem ativos, muitas vezes de uma forma rítmica e síncrona.

Os mecanismos envolvidos no sono e vigília estão presentes antes do nascimento, e estes são desenvolvidos graças ao ciclo circadiano que, como outros ciclos biológicos, é caracterizado por manter funcões fisiológicas.
O ciclo circadiano é gerado aproximadamente às 18 a 20 semanas de gestação no hipotálamo anterior (especificamente no núcleo supraquiasmático do hipotálamo).
Em qualquer idade, o ciclo circadiano é gerado espontaneamente e modulado por fatores exógenos como por exemplo, a luz.
Estudos recentes revelaram que o sistema circadiano é responsive à luz às 24 semanas de gestação, e que baixa intensidade de luminosidade pode regular o desenvolvimento do “relógio biológico”.

No período neonatal, o sono está relacionado com a a maturação do sistema nervoso central, consolidação da memória e aprendizagem, mantendo a energia, aumento da síntese protéica e secreção da hormona de crescimento.

Os ciclos de sono-vigilia e o padrão de sono alteram-se desde logo na vida fetal. Os recém-nascidos dormem aproximadamente 70% das 24h, os adultos 25 a 30%, sugerindo uma forte relação entre o sono e o crescimento, incluindo o crescimento cerebral.

Desenvolvimento do sono

Os padrões de atividade cerebral no sono REM e NREM que se iniciam na vida intra-uterina continuam a mudar após o nascimento. Os mecanismos reguladores do sono homeostático, circadiano e ultradiano sofrem modificações significativas no período neonatal e posteriormente.

No período fetal o sono é dividido em três estadios:
1) sono ativo (Active Sleep-AS);
2) sono tranquilo (Quite Sleep-QS);
3) sono indeterminado.

O sono ativo (AS) é comparável com o sono Rapid Eye Movement (REM) nos adultos. Ontogenicamente, é considerado o primeiro tipo de sono, que surge logo às 28-30 semanas de gestação, é controlado pelo cérebro “anterior” e tronco cerebral, e é caraterizado por sono REM, elevada atividade fisiológica, respiração irregular e maior frequência cardíaca para oxigenação cerebral. É neste sono ativo que ocorre a maturação e diferenciação do sistema nervosa central, consolidação da memória e padrões de aprendizagem de desenvolvimento do comportamento emocional.

O sono tranquilo (QS) é comparável ao sono não REM (Non Rapid Eye Movement) nos adultos, e é identificado no eletroencefalograma às 32 semanas de gestação, mas apenas é considerado bem desenvolvido às 36-38. Ocorre após estabilização de redes de components excitatórios e inibitórios do tálamo e cortex. Consite num periodo de repouso, manutenção de energia, aumento da síntese proteica e libertação da hormona de crescimento. Durante este sono ocorrem movimentos de sucção, sorrisos, tremor. A respiração e os batimentos cardíacos são regulares e, os movimentos dos olhos estão ausentes ou regulares. O padrão, bem como pausas respiratórias e interação entre a respiração abdominal e torácica, distinguem o sono ativo do silencioso.

A importância do sono no neurodesenvolvimento: Tornou-se evidente o papel do sono na plasticidade neuronal: o desenvolvimento do cérebro, por um lado, e a aprendizagem e memória, por outro lado. A plasticidade neuronal está na base da consolidação da memória dependente do sono.

Leave a Reply