o neurónio

O neurónio

Posted on Posted in sistema nervoso

O neurónio, a célula humana mais fascinante

O neurónio constitui a unidade anatómica, trófica e funcional do sistema nervoso.

O uso do termo neurónio, como unidade estrutural básica do sistema nervoso deve-se a Wilhelm Waldeyer (1891 – “teoria do neurónio”), após décadas de investigação dos biolólogos Camillo Golgi e Santiago Ramón y Cajal.

É a principal célula do sistema nervoso, que inclui o cérebro e a medula espinhal no sistema nervoso central, e os gânglios no sistema nervoso periférico.

A sua estrutura peculiar possibilita as suas funções extraordinárias. Apresenta ramificações celulares de dois tipos: as dendrites (pequenas e frequentemente múltiplas) e o axónio (prolongamento neuronal único e mais longo, que pode alcançar um metro).

neuronio

Os neurónios têm morfologia e tamanho variável. Não sofrem divisão celular, isto é, não se multiplicam.

Existem subtipos especializados de neurónios de acordo com a sua função: neurónios sensitivos (que respondem a estímulos tais como a luz, o som, o tacto e outros, afetando as células dos órgãos sensitivos, que depois enviam sinais para o cérebro e medula), neurónios motores (que recebem sinais do cérebro e medula para originar resposta motora, como por exemplo, contração motora, e afetam a resposta glandular) e interneurónios (que conectam neurónios entre si na mesma região cerebral, ou redes neuronais na medula espinhal).

O neurónio é uma célula eletricamente excitável, que processa e transmite informação através de sinais químicos e elétricos. Tem a capacidade extraordinária de captar e transmitir impulsos ou estímulos nervosos (cerca de 1200/segundo) através dos seus prolongamentos celulares (axónios). Assim, perante estímulos ambientais (como por exemplo, a luz) o neurónio tem a capacidade de alterar o seu potencial elétrico, ao modificar o gradiente de concentração iónica entre as superfícies interna e externa da membrana plasmática.

É na membrana celular que ocorrem as transmissões de substâncias (especialmente iões) e, por isso, é onde se produz o impulso elétrico. Esta membrana é seletivamente permeável (o que importa destacar atendendo ao seu papel fulcral no transporte de substâncias necessárias ou nocivas ao organismo). O potencial elétrico vai se regenerar continuamente e propagar, ao longo do axónio, desde o soma (ou cone axonal) até aos botões terminais. O axónio é um prolongamento celular único condutor de impulsos nervosos. E o que se sucede quando os impulsos nervosos alcançam os botões terminais? Como se processa a transmissão de informação entre um neurónio e outro?

Leave a Reply